Primeiro atendimento psicológico infantil: 5 maiores erros

menina em primeiro atendimento psicológico
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área todos os dias aqui e em minhas redes sociais.

Muita coisa que é fundamental para trabalhar com o atendimento infantil nem sempre é explicada, dificultando a vida do profissional que está em busca de seu primeiro atendimento psicológico infantil.

Essa falta de detalhes em diversos campos de atuação na área da psicologia torna difícil a vida do profissional que está se formando, principalmente no processo de criar uma metodologia e um passo a passo no primeiro atendimento psicológico infantil.

Dessa maneira, é muito comum que os profissionais, recém formados e que estão começando a atender na terapia infantil, cometam erros que podem ser impactantes.

Para diminuir essa possibilidade de erros no primeiro atendimento psicológico infantil, selecionamos 5 erros que são muito comuns e que devem ser evitados. Com isso, você certamente terá uma capacidade maior para conseguir realizar o atendimento da melhor maneira possível.


1. Forçar a criança a algo.

erros no primeiro atendimento psicológico infantil

Um erro bastante comum que os profissionais costumam cometer no primeiro atendimento psicológico infantil é quando eles forçam as crianças a fazerem algo que elas não se sintam confortáveis, somente para seguir um plano pré estabelecido para aquele atendimento em específico.

Para quem está começando, é fundamental criar uma relação boa com a criança, gerando a confiança necessária para que elas se sintam à vontade com você.

Nesse sentido, você deve ser um adulto que respeita o paciente, compreensivo e que estabeleça essa relação de confiança. Com isso a criança certamente se sentirá mais à vontade e não irá correr do atendimento, evitando de todas as formas esse momento.

Existem alguns exemplos que podem ser dados nesse sentido, como quando o profissional exige que a mãe ou pai saia da sala mesmo que a criança não se sinta segura dessa maneira. Propor atividades em específico que não agradam os pequenos, pelo menos em um primeiro momento, e forçá-las a executar essa atividade também é um erro que deve ser evitado no primeiro atendimento psicológico infantil. 


2. Exigir demais do paciente

psicóloga em sessão com menino

Exigências exageradas também podem ser prejudiciais para o primeiro atendimento psicológico infantil, dificultando que a relação entre paciente e terapeuta seja saudável.

Esse erro também é bastante comum, mas pode determinar a continuação do atendimento ou não. Nesse sentido, é fundamental que o terapeuta saiba dosar as atividades, não exagerando na exigência, exigindo maiores competências das crianças no começo do atendimento.

É justamente por isso que os testes de desenvolvimento são fundamentais. Com a realização desses testes, os profissionais conseguem saber exatamente quais são as capacidades e também as dificuldades de cada criança. Dessa forma, é importante que utilizem os testes como base para entender quais exigências podem ser feitas e quais não.

3. Não colocar regras

primeiro atendimento psicológico infantil

As regras foram desenvolvidas, em qualquer área, justamente para melhorar o controle das situações do dia a dia. Para o atendimento psicológico, principalmente o primeiro atendimento psicológico infantil, é fundamental estabelecer regras de controle e isso é algo que infelizmente muitos profissionais acabam errando.

A criança naturalmente vai te testar nos primeiros atendimento. Por ser um espaço desconhecido, com uma pessoa que ela não tem proximidade, ela certamente dificultará os caminhos a serem seguidos nas etapas iniciais.

Dessa forma, é importante estabelecer regras para que o atendimento não saia do controle e para que a criança não te “domine”. Claro, as regras precisam ser estabelecidas com certa “flexibilidade “, ou seja, não serem tão rígidas e que deixem as crianças minimamente confortáveis.

Um exemplo básico é em relação aos brinquedos. Se você estabelece a regra de “brincou, guarda”, é fundamental que você reforce a importância dessa regra, mas utilizando ferramentas para que a criança entenda o por que isso é tão importante. 

Usar estratégias de músicas e conversas para que ela entenda como esse processo funciona pode facilitar essa etapa, sem gerar desgaste e dificuldades na relação entre o paciente e o terapeuta. Mesmo que ela brinque com 200 legos, por exemplo, e guarde apenas apenas 1, isso já é um ganho importante e é isso que importa.


4. Reforçar atitudes ruins

atendimento infantil

Outro erro comum que profissionais cometem no primeiro atendimento psicológico infantil é o reforço de atitudes ruins e prejudiciais para a convivência. Como dissemos, as crianças vão te testar no começo e é importante que você seja consistente no que você acredita que ela pode ou não fazer.

Mesmo que você não queira deixar de ser um “adulto legal”, é fundamental que você não deixe que ela te domine, fazendo o que bem entender com você. Um exemplo básico é quando a criança começa a arremessar os brinquedos, bater ou gritar com você.

Nesse caso, é importante que você coíba esse tipo de atitude e não reforce esse comportamento ruim. Sabendo como lidar com essa situação, evitando esse reforço, você vai moldando o comportamento para que as atitudes ruins sejam diminuídas com o tempo, melhorando a qualidade do atendimento.


5. Não ter se preparado.

psicóloga infantil

Para finalizar, o último erro comum que selecionamos que os profissionais cometem no primeiro atendimento psicológico infantil é a falta de preparação para começar o atendimento.

Para trabalhar com crianças, montando um atendimento de qualidade, é fundamental que você tenha um passo a passo do que vai ser feito durante esse processo. 

Para isso, é importante ter uma boa anamnese, um bom entendimento de cada caso, de qual é a demanda para aquele atendimento, ter uma boa conversa com os pais das crianças para ampliar o conhecimento a respeito dos pacientes, entendendo se ele gosta de coisas em específicas, como números, formatos ou letras, verificar a existência de traumas ou qualquer coisa que gere uma aversão dele a sua sala de atendimento e vice-versa.

Todo esse conhecimento adquirido por meio de preparo, pesquisa e conversas, certamente farão com que você esteja melhor preparado para cada caso, permitindo que você crie um passo a passo para o primeiro atendimento psicológico infantil e para que você consiga contornar situações que sejam adversas no meio do caminho.

Dica bônus: Fazer o Psicoplano Infantil

Por fim, uma dica bônus que selecionamos é que pode ser muito interessante para a sua trajetória é que você faça o Psicoplano Infantil. Mas o que é isso?

O Psicoplano Infantil é um curso completo desenvolvido por mim para que os profissionais consigam realizar o atendimento infantil da melhor maneira possível. 

Nele você conseguirá verificar todo um passo a passo, metodologia e ideias para qualificar o seu atendimento, ajudando a esquematizar o seu processo de comunicação com as crianças e a como superar as situações adversas que surgirem no meio do caminho, principalmente no primeiro atendimento psicológico infantil.

Conclusão: primeiro atendimento psicológico infantil


Como vimos, são vários os erros cometidos por profissionais no primeiro atendimento infantil. Para não cometer os mesmos erros durante o seu atendimento, é importante se preparar, especializar e saber exatamente o que fazer durante as sessões, garantindo total controle das situações que irão aparecer durante o caminho.

E para mais novidades diariamente, me siga no Instagram: Paulinhapsicoinfantil ou dê uma olhada nos meus outros conteúdos do Blog.

Compartilhe esse conteúdo
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Conteúdos que você também pode gostar
Calandar (2)
12 de agosto de 2022
Existem casos de crianças que...
Calandar (2)
7 de agosto de 2022
Provavelmente você conhece alguma criança...
Calandar (2)
2 de agosto de 2022
Quando se descobre que é...
Calandar (2)
1 de agosto de 2022
Em tempos de redes sociais...
Calandar (2)
27 de julho de 2022
Em países como o Brasil,...
Calandar (2)
11 de julho de 2022
Antes de começar a explicar...

Newsletter: Receba Notícias e Conteúdos

Receba as novidades do mundo da Terapia Infantil toda semana!

Digite o que procura abaixo