Testes para avaliação de autismo

Testes para avaliação de autismo
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área. Quer conversar comigo? Só deixar um comentário no final do conteúdo.

O TEA – Transtorno do Espectro Autista é um transtorno do neurodesenvolvimento que afeta em média 1% da população. Por isso, é muito importante identificar desde cedo se o seus filhos se enquadram nessa porcentagem, descobrindo através de uma avaliação de autismo.

Você poderá saber mais sobre seu filho ter ou não autismo, neste outro post.

Nesse artigo, falaremos tudo sobre como são realizadas as principais avaliações para identificar o TEA nas crianças. Além disso, destacamos quem são os especialistas que podem ser responsáveis por realizar essa avaliação.

Em grande parte das situações, a avaliação de autismo é feita através de testes e observação clínica. Atualmente, março de 2021, não existe nenhum exame que faça o diagnóstico de autismo.

Os médicos geralmente pedem exames para eliminar outras possibilidades, por isso é comum pedirem o BERA, exames de sangue, eletroencefalograma, ressonância magnética, entre outros exames para avaliar qualquer outros riscos de diagnóstico.

Por isso, abordaremos também quais são os principais testes, explicando passo a passo de cada um, dessa forma você poderá entender melhor como funciona a avalição de autismo e quais as opções que temos atualmente.

Como funcionam os testes ou instrumentos diagnósticos para avalição do autismo?

Como funcionam os testes ou instrumentos diagnósticos para avalição do autismo?

O diagnóstico de autismo é baseado na análise comportamental das crianças, adolescentes ou adultos. 

Dessa forma, os testes que visam determinar se uma pessoa tem autismo ou não, é um teste que tem como objetivo observar as características do comportamento de cada criança.

Obviamente, cada teste possui um método específico. A escolha pelo teste mais adequado varia de caso para caso e dos conhecimentos de cada especialista que atende essas crianças, para assim realizar a avalição de autismo.

A seguir, listamos os principais testes utilizados para analisar o comportamento das crianças e, consequentemente, usados na avaliação de autismo.

Testes

avaliação de autismo

Nesse texto iremos conhecer os seguintes testes para avaliação de autismo:

  1.  ABC – (Lista de Checagem de Comportamento Autístico)
  2. ADI-R (Entrevista Diagnóstica Para Autismo Revisada) 
  3. ADOS OU ADOS-2 (Protocolo de Observação Para Diagnóstico de Autismo)
  4. ASQ – (Questionário de Triagem Para Autismo)
  5. ATA – (Avaliação de Traços Autísticos)
  6. ATEC – Avaliação de Tratamentos do Autismo
  7. CARS (Escala de Avaliação Para Autismo Infantil)
  8. GARS-2 – (Gilliam Autism Rating Scale)
  9. Inventário Portage Operacionalizado
  10. M-CHAT-R/F – Escala Para Rastreamento de Autismo Revisada
  11. PEP-3 – (Perfil Psicoeducacional)
  12. PROTEA-R – Sistema de Avaliação do Transtorno do Espectro Autista
  13.  Vineland

ABC – Lista de Checagem de Comportamento Autístico

A ABC é um modelo de avaliação de autismo que consegue identificar até casos mais graves, onde as crianças possuem, inclusive, um retardo mental.

Essa escala consiste na elaboração de 57 itens, com uma divisão comportamental previamente estipulada para cada item. Confira:

  • 17 itens pontuados com nota 4;
  • 17 itens pontuados com nota 3;
  • 16 itens pontuados com nota 2;
  • 7 itens pontuados com nota 1

De acordo com esse método, a pontuação média para crianças com autismo é 78 pontos, enquanto casos de crianças com retardo mental grave é de 44 pontos.

ADI-R 

ADI-R


A Entrevista Diagnóstica para Autismo Revisada (ADI-R), é uma escala considerada de alto padrão na avaliação de autismo.

O procedimento de análise dessa entrevista deve ser feito junto dos pais, e tem o objetivo principal de conseguir detalhes específicos do comportamento das crianças.

A versão atual, compreende pessoas desde os 18 meses de vida, até a fase adulta.

Para avaliar o comportamento de cada criança, é realizado um questionário com  93 questões feitas diretamente para os pais, identificando as características que marcam o TEA.

Nessa avaliação, existem 3 pontos fundamentais para a avaliação de autismo, ou, o diagnóstico: 

  • Linguagem ou comunicação;
  • Interação social;
  • Comportamentos repetitivos ou estereotipados.

Portanto, a entrevista é baseada nesses três domínios e, para que a criança receba o diagnóstico de autismo. A ADI-R geralmente é realizada junto com o ADOS.

Para entender mais sobre o ADOS, leia abaixo:

ADOS

ADOS avaliação de autismo

O ADOS OU ADOS-2 (Protocolo de Observação Para Diagnóstico de Autismo), também uma escala considerada padrão-ouro para a avaliação de autismo e diagnóstico.

A avaliação do autismo pela escala do Ados é estruturada e padronizada, utilizando ferramentas de comunicação como interações sociais e jogos, ou o uso criativo de diversos objetos para as crianças que estão em observação.

Ela pode ser aplicada para pessoas a partir dos 3 anos de idade, sendo que também é utilizada para determinar o autismo em pessoas adultas.

O principal objetivo desse teste é observar as características que tem relação com o DSM-V, dentro das áreas: interação social, comunicação social e linguagem, comportamentos repetitivos e/ou estereotipados.

Através de um roteiro pré estipulado, o especialista designa 8 tarefas para os pacientes, seja criança ou adulto. A partir daí, existe uma tabela para definir se o paciente possui ou não o TEA.

A duração do teste é de cerca de 30 minutos, sendo que a realização dos jogos varia de acordo com a idade e o desenvolvimento do paciente.

Por fim, a classificação geral do diagnóstico é dividida em 3 pontuações:

  • 0 = dentro dos limites;
  • 1 = anormalidade rara ou possível;
  • 2 = anormalidade clara.

O ADOS é um teste de valor alto para o terapeuta, média de 4.000 euros para adquirir o teste e não tem uma versão brasileira ainda, infelizmente.

Para adquirir você precisará importá-lo de outro país.

ASQ – QUESTIONÁRIO DE TRIAGEM PARA AUTISMO

ASQ - QUESTIONÁRIO DE TRIAGEM PARA AUTISMO

O ASQ – Questionário de Triagem Para Autismo é, como o próprio nome já indica, um questionário, constituído em 40 questões retiradas do teste ADI-R, mas que passaram por modificações para se adequar melhor aos propósitos do questionário. 

As intenções e temas das questões são variadas. Nelas, podem ser abordadas ideias comportamentais da linguagem, padrões de comportamento, interação social, comunicação, como é feita no ADI-R.

A escala ASQ de avaliação de autismo varia de 0 até 39, com a nota 15 sendo a média para avaliações padrões, ou seja, é a nota para quem não tem o espectro. Enquanto isso, quando a escala ultrapassa 22, é um indicador de que o paciente pode ser autista.

Já existiram duas versões principais do questionário, uma para crianças com menos de 6 anos e uma para crianças de 6 anos ou mais. No resultado, a pontuação 0 determina ausência de “anormalidades”, enquanto a pontuação 1 determina a presença de anormalidade.

ATA – (Avaliação de Traços Autísticos)

ATA - (Avaliação de Traços Autísticos)

Nessa escala do ATA – (Avaliação de Traços Autísticos), são utilizados 36 critérios de avaliação de autismo, todos relativos ao comportamento das crianças perante as pessoas e o meio social em que vivem.

Se a criança atingir a pontuação corte de 15, ela se enquadra nessa condição de autismo.

Para cada item, a pontuação 0 indica que não há presença de sintomas, a pontuação 1 indica presença de ao menos um sintoma e a pontuação 2 indica mais de um sintoma nos itens selecionados. 

ATEC – Avaliação de Tratamentos do Autismo

ATEC - Avaliação de Tratamentos do Autismo

A ATEC – Avaliação de Tratamentos do Autismo é uma lista muito utilizada para verificar se os tratamentos de autismo aplicados às crianças estão sendo eficazes e como os indivíduos estão evoluindo com o passar do tempo.

A lista se configura em 77 questões, todas classificadas em subcategorias, tais como:

  • Fala;
  • Linguagem;
  • Comunicação;
  • Sociabilidade;
  • Sensibilidade Sensorial;
  • Cognitiva e Física;
  • Saúde;
  • Comportamento.

Para acessá-la é só clicar aqui: PAULINHA LINKAR***

CARS (Escala de Avaliação Para Autismo Infantil)

A CARS é mais uma das escalas utilizadas para identificar o espectro do autismo nas crianças. Foi criada e baseada nas definições estipuladas por especialistas da área, como Rutter, Ritvo e Freeman.

Nessa definição desses especialistas, são avaliados 3 pontos principais, que são relativos a características comportamentais das pessoas. São eles:

  • 1.Desenvolvimento social;
  • 2.Distúrbio da linguagem e habilidades cognitivas;
  • 3.Início precoce do transtorno, antes dos 30 meses de idade.

Essa escala é composta por 15 itens, e todos eles são utilizados para avaliar a condição das crianças, somando pontuações que dão o resultado final determinado.

A pontuação varia de 15 a 60 pontos, sendo que, caso a criança atinja uma pontuação maior que 37,5, é considerado que ela possui o autismo de forma grave. 

Para responder a CARS, vá até esse post que temos o PDF dela disponível!

GARS-2 – Gilliam Autism Rating Scale

GARS-2 - Gilliam Autism Rating Scale

O GARS-2 é uma escala muito utilizada para a avaliação de autismo em crianças, e também funciona com um sistema de pontuações.

Foi baseada no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: Quarta Edição. Como atualmente já temos a quinta edição, ela ficou um pouco desatualizada, porém ainda é utilizada em alguns países.

São 42 itens bem definidos, que servem para descrever comportamentos característicos de uma pessoa com autismo, separados em três subtestes: comunicação, interação social e comportamento estereotipado. 

Inventário Portage Operacionalizado

Inventário Portage Operacionalizado

No Inventário Portage Operacionalizado, desenvolvido pelas autoras WILLIAMS E AIELLO, o paciente é avaliados em 5 campos principais: 

  • Socialização;
  • Cognição;
  • Linguagem;
  • Autocuidados;
  • Desenvolvimento motor.

O Portage envolve algumas atividades específicas com caixa de atividades para o paciente realizar. Não é especificamente uma avaliação de autismo, é focada no desenvolvimento.

Para aprender mais sobre ele você poderá adquirir o Manual Portage, ou então, conhecer o Psicoplano Infantil, curso no qual terá a acesso ao aprendizado do Portage e o PEP-R.

É recomendado para crianças de 0 a 6 anos, pois a aplicação do inventário pode determinar mudanças nas relações domiciliares e escolares. 

M-CHAT-R/F – Escala Para Rastreamento de Autismo Revisada

M-CHAT-R/F - Escala Para Rastreamento de Autismo Revisada

O M-CHAT, por exemplo, é uma escala bastante utilizada aqui no Brasil, sendo obrigatório na rede de saúde pública do país.

O teste é elaborado para triagem do autismo, para que os pais encaminhem seus filhos para especialistas.

Na escala, existem três riscos definidos: baixo, moderado e alto risco. A pontuação atingida, 0 a 2 para baixo, 3 a 7 para moderado e 8 a 20 para alto risco, definem as próximas etapas que os pais devem seguir.

A pontuação de baixo risco indica que o paciente provavelmente não desenvolveu a condição do TEA, mas é importante repetir o teste caso ele seja feito antes dos 24 meses de idade.

O risco moderado representa que os pais devem seguir com outras etapas de teste, como a entrevista de seguimento. Nesse caso, se a criança tiver um resultado equivalente ou maior que 2, ele deve ser encaminhado para algum especialista da área. 

Já no alto risco, não há necessidade da realização dessa entrevista. Caso o paciente atinja a pontuação desse padrão, ele deve ser encaminhado diretamente para um especialista que confirmará o diagnóstico e definirá o melhor tratamento para cada situação. 

Para responder a CARS, vá até esse post que temos o PDF dela disponível!

PEP-3 – (Perfil Psicoeducacional)

PEP-3 - (Perfil Psicoeducacional)

A PEP-3 – (Perfil Psicoeducacional) é uma ferramenta de avaliação do comportamento das crianças autistas ou com outros transtornos de comunicação. Não é necessariamente uma avaliação de autismo, ela tem foco em desenvolvimento infantil.

É um instrumento utilizado para auxiliar os pais e os educadores nas formas como trabalhar a educação das crianças, pois identifica padrões de aprendizagem diferentes do normal.

São avaliadas algumas condições: 

  • Coordenação motora ampla;
  • Coordenação motora fina;
  • Coordenação viso-motora;
  • Percepção;
  • Imitação;
  • Performance cognitiva;
  • Cognição verbal.

PROTEA-R – Sistema de Avaliação do Transtorno do Espectro Autista 

O PROTEA-R é uma avaliação de autismo que funciona através de aplicações de brincadeiras com as crianças, buscando identificar se esses pacientes possuem ou não o transtorno do espectro autista.

É um teste com padronização brasileira e indicado para crianças entre os 24 meses aos 60 meses de idade, essencialmente as crianças que não se comunicam de forma natural e possuem transtornos que podem indicar a presença do TEA. 

Vineland 

A escala adaptativa Víneland-3 é um instrumento utilizado mundialmente para avaliar o comportamento adaptativo das pessoas desde o nascimento até a idade adulta (90 anos). O instrumento consiste em uma entrevista semiestruturada em formato de questionário, a importância da avaliação está relacionada a compreender as necessidades individuais de cada pessoa, considerando os aspectos de toda vida.

Ou seja, não é um teste diagnóstico de avaliação de autismo, é de comportamento adaptativo.

Associado a testes de inteligência a Vineland-3 fornece dados críticos que ajudam no diagnóstico de deficiências intelectuais e de desenvolvimento, apoia com informações valiosas para a elaboração de planos educacionais e de Intervenção.

Com a Vineland-3 é possível medir o comportamento adaptativo de indivíduos com deficiências intelectuais e de desenvolvimento, Transtorno do Espectro Autista (TEA), Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), lesão cerebral pós-traumática, deficiência auditiva e visual, doença de Alzheimer.

O tempo de aplicação pode variar de 30min a 1:30min dependendo de quais formulários serão utilizados na avaliação. Formulários: Entrevista e Formulário de Pais / Cuidadores do nascimento aos 90 anos, Formulário de professor de 3 a 21 anos.

Quem aplica testes diagnósticos?

Quem aplica testes diagnósticos?

Por serem testes importantes para a avaliação de autismo, é fundamental que eles sejam aplicados por especialistas que entendam do assunto e saibam determinar as pontuações e escalas atingidas.

O mais recomendado é que os testes sejam aplicados por psicólogos e neuropsicólogos, pois são os profissionais que possuem a capacitação mais adequada para realizar a avaliação de autismo. Muitos testes possuem exclusividade e só podem ser aplicados por psicólogos, ou seja, para comprar o teste, se faz necessário apresentar a carteirinha do conselho regional de psicologia.

Entretanto, algumas escalas são de uso mais livre, como a CARS, a M-CHAT, podendo ser aplicadas mesmo em casa pelos próprios pais, claro, não sendo possível fechar diagnóstico dessa forma, mas pode ser interessante para avaliar alguns comportamentos e poder ir até o neuropediatra com mais informações das observações comportamentais.

A escolha do melhor teste e da melhor avaliação de autismo é uma questão de cada profissional, que pode ter maior afinidade e facilidade para a aplicação.

Outros documentos interessantes sobre autismo

Outros documentos interessantes sobre autismo

O assunto do autismo ainda precisa ser muito discutido e explorado, pois estamos falando de uma condição que tem grande impacto na população. Desta maneira, selecionamos mais alguns textos que debatem esse assunto e podem ser interessantes para você aprofundar. O primeiro debate as diretrizes do autismo, enquanto o segundo fala sobre a triagem precoce para o autismo

Conclusão

Nesse artigo, abordamos diversos testes que são utilizados para a avaliação de autismo nas pessoas, cada um com as suas particularidades e métodos para determinar esse espectro. Além disso, destacamos que é fundamental que o diagnóstico e avaliações neuropsicológicas sejam feitas por profissionais especializados no assunto, como psicólogos e/ou neuropsicólogos. Esses testes são instrumentos muito importantes para definir o autismo ou não, principalmente nas crianças. 

Caso queira entender um pouco mais sobre o autismo leve, você poderá entrar nesse post.

Caso queira entender um pouco mais sobre autismo em meninas, você poderá entrar nesses dois posts: post 1, post 2.

Para mais informações e atualizações constantes, siga a Tia Paulinha no instagram: clique aqui

Ou entre para nosso canal no telegram: Canal do Telegram das Pauletes

Compartilhe esse conteúdo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Gostou do conteúdo? Deixe um comentário

Conteúdos que você também pode gostar