Seletividade alimentar infantil: o que é e quais são!

Seletividade alimentar infantil: o que é e quais são!
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área todos os dias aqui e em minhas redes sociais.

A criança ter dificuldade de comer certos alimentos pode até ser considerado normal, em certos cenários, mas quando isso vira uma rotina, se torna um problema – dos grandes. A seletividade alimentar infantil, atualmente, é categorizada como Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo (TARE) e, por isso, deve ter total atenção dos responsáveis. 

Passando de apenas uma alta exigência como o que irá comer, a criança que desenvolve a TARE, tem o comportamento de repulsão a certos sabores, texturas ou cores. O que, em casos mais graves, pode chegar até mesmo a apresentação de fobia de alimentos específicos.   

Dessa forma, como é criada uma dieta muito restrita, é comum que as crianças com seletividade alimentar sofram com a falta de vitaminas e minerais importantes para o corpo. Para facilitar a identificação dos pequenos com seletividade alimentar infantil – que difere de alergias alimentares, como a frutos do mar, por exemplo – separei algumas ações comuns dos seletivos:  

  • Fechar a boca e sinalizar que não vai comer o alimento de nenhuma forma;
  • Enjoos com a apresentação de novos alimentos;
  • Distanciar-se de determinados grupos de alimentos com cores, sabores ou texturas;
  • Preferência para alimentos com cores, sabores ou texturas específicas.  

Mesmo que de início a seletividade alimentar infantil não signifique problemas com baixo ou sobrepeso, com o decorrer do tempo, pode acarretar outras doenças. Diante desse cenário, preparei um guia com as principais seletividades, o problema da falta de nutrientes e a relação do TARE com o autismo. 

3 principais características das seletividades alimentares infantis 

3 principais características das seletividades alimentares infantis

Para deixar mais claro o que envolve a seletividade alimentar infantil, separei para você as 3 principais características em detalhe: recusa alimentar, repertório limitado de alimentos e ingestão alimentar única de frequência. 

Recusa alimentar

É natural que o bebê ao completar 1 ano passe a apresentar uma certa recusa de alimentos, uma vez que não precisa mais da mesma quantidade calórica que ingeria antes. Com uma diminuição da velocidade do seu crescimento, a demanda energética diminui e, por consequência, o apetite também. 

Mas, aqui deve ser o ponto de atenção. Com a diminuição da quantidade, é preciso focar na qualidade dos alimentos. Mesmo que inicialmente a criança recuse e faça “cara feia” para alguns alimentos, principalmente frutas, legumes e verduras, é fundamental introduzir tais produtos na alimentação.



Não se assuste, nem desespere, o ideal é que a criança seja exposta 12 vezes ao alimento para se ter uma definição de recusa ou aceitação. Dessa forma, varie nas texturas, formatos e padrões apresentados.

Repertório limitado de alimentos

Acompanhada da recusa alimentar, com grande frequência, surge também a criação de um repertório limitado de alimentos, outro indicativo da seletividade. Entre outros fatores, isso gera uma falta da absorção de determinados nutrientes, como vou explicar mais adiante.

Sendo assim, é preciso variar os alimentos oferecidos à criança. Um exemplo, para facilitar o entendimento: oferecer regularmente ovo para o bebê e não intercalar com outras proteínas, como carne e frango, mesmo que gere recusa de início, pode gerar um seletivo no futuro. Ou seja, não é só fazer a vontade da criança e sim apresentar variedade. 

Ingestão alimentar única de frequência

Quando a alimentação é baseada em um único item e esse alimento passa a ser consumido diversas vezes no dia – 4 a 5 refeições idênticas – identificamos o outro componente básico da seletividade alimentar infantil. 

Carência de nutrientes

Carência de nutrientes

Como já te expliquei antes, a criança com uma alimentação limitada acaba tendo a ingestão de micronutrientes prejudicada, o que afeta o seu desenvolvimento. Ainda mais na primeira infância, é de suma importância uma dieta balanceada para que todas as necessidades do organismo sejam atendidas e não gerem problemas futuros. Sem falar da necessidade de dosar o consumo de açúcar, gorduras e ultraprocessados. 

Por isso, a importância da apresentação de variados alimentos às crianças para se ter o entendimento do que de fato agrada ou não. Para exemplificar esse cenário, separei os principais grupos da nossa cadeia alimentar e o que cada um tem a nos oferecer – e devemos aproveitar:  

  • Cereais, pães e tubérculos – Importantes fontes de energia como carboidratos complexos, vitaminas do complexo B e fibras;
  • Hortaliças – Importantes fontes de pró-vitamina A, luteína, vitamina B2,  licopeno, vitamina B5, vitamina B9, vitamina C, ácidos fenólicos, vitamina K, carotenoides, cálcio, ferro, magnésio e potássio; 
  • Frutas – Importantes fontes de fibras, vitaminas antioxidantes (vitaminas A, C e E) e minerais essenciais ao funcionamento do organismo;
  • Leguminosas – Importantes fontes de vitaminas C, K, complexo B, cálcio, ferro, fósforo, potássio e zinco;
  • Carnes e ovos – Importantes fontes de proteínas, ferro e vitaminas B6 e B12;
  • Leite e derivados – Importantes fontes de proteínas e cálcio;
  • Óleos e gorduras –  Importantes fontes de energia e transportadores de transportam algumas vitaminas (A, D, E, K)

Relação do TARE com o autismo

Seletividade alimentar infantil: o que é e quais são!

As principais características de uma criança autista contribuem para o estabelecimento de uma seletividade alimentar infantil. Entre outros aspectos, a inflexibilidade com as rotinas, a falta de busca por interação social e as mudanças sensoriais, favorecem que a alimentação seja prejudica, principalmente quando tratamos de conhecer e experimentar novos alimentos. 

Mas, é preciso que fique claro: será somente diagnosticado uma criança autista com TARE se todos os elementos para tal forem cumpridos e resultar em um tratamento específico. Ou seja, fases de seletividade podem existir, mas somente quando se torna um padrão alimentar persistente, que pode ser levantado a possibilidade da TARE. 

Conclusão sobre Seletividade alimentar infantil

Por ser um transtorno conceituado recentemente, ainda não existe o registro de um tratamento padrão como ocorre com outros. Dessa forma, a cada caso e, dependendo do paciente, será determinado quais os melhores passos a serem tomados.

De toda forma, os mais comuns quando envolvem seletividade alimentar infantil e TARE abrangem acompanhamento psicológico, psiquiátrico, nutricional e de clínico geral. Assim, é possível caminhar com a procura por uma alimentação melhor balanceada enquanto se busca os motivos da rejeição de determinados grupos alimentícios. 

Para complementar o conhecimento sobre a seletividade alimentar infantil e outros assuntos que permeiam a psicologia infantil, acompanhe o meu canal do Youtube. Compartilho por lá diversas dicas e conteúdos que vão com certeza te ajudar. Espero encontrar você lá. 

Compartilhe esse conteúdo
WhatsApp
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Conteúdos que você também pode gostar
Calandar (2)
1 de maio de 2024
A regulação das emoções na...
Calandar (2)
29 de abril de 2024
Atuar como psicopedagoga infantil é...
Calandar (2)
27 de abril de 2024
A psicoterapia comportamental infantil é...
Calandar (2)
25 de abril de 2024
Aplicar a terapia cognitiva comportamental...
Calandar (2)
23 de abril de 2024
A psicologia no desenvolvimento infantil...
Calandar (2)
17 de abril de 2024
Tornar-se um especialista em psicologia...
Calandar (2)
11 de abril de 2024
Abrir um consultório de psicologia...

Newsletter: Receba Notícias e Conteúdos

Receba as novidades do mundo da Terapia Infantil toda semana!

Jornada Terapeuta Infantil de Sucesso

Aprenda a se desenvolver mais como terapeuta infantil, como lotar sua agenda e fazer a gestão do seu consultório do zero.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Digite o que procura abaixo