Meu filho não fala, o que fazer?

Meu filho não fala, o que fazer?
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área. Quer conversar comigo? Só deixar um comentário no final do conteúdo.

Muitas pessoas descrevem que o nascimento de seus filhos é o momento mais importante de suas vidas. Agora, após o nascimento, vê-los crescer e se desenvolver como pessoa também é uma etapa fundamental. Logo no começo da vida, os bebês começam a desenvolver algumas capacidades, como a fala e o andar. Mas, o que acontece quando os pais identificam que meu filho não fala? 

Existem diversos aspectos relacionados ao desenvolvimento e crescimento das crianças. Elas podem ser influenciadas diretamente pelo ambiente em que vivem, pelas relações e também por características genéticas, que podem acelerar ou atrasar o desenvolvimento de algumas capacidades.

Por isso, é fundamental que os pais saibam como lidar com as fases de crescimento, identificando se esse desenvolvimento está ocorrendo da maneira considerada “normal”, ou se existe algo que foge do padrão e precisa ser analisado. A preocupação dos pais com a frase meu filho não fala é comum e precisa ser validada, pois se tem um atraso na fala, ele precisa ser investigado.

Meu filho não fala, e agora?

Meu filho não fala, e agora?

A fala, por exemplo, é um dos principais aspectos do desenvolvimento. E é sempre um momento de muita emoção quando o seu filho fala a primeira palavra, uma ação que será relembrada pelo resto da vida.

Mas, e se os pais param e observam: meu filho não fala, o que eu posso fazer para resolver essa situação?

Naturalmente, nenhum pai ou mãe quer passar por isso, pois pode ser bastante desafiador esperar mais do que o comum para ver os filhos soltando suas primeiras palavras, como chamando seus pais pelo nome.

Além disso, muitas pessoas se desesperam, pois acham que existe alguma questão mais grave nos seus filhos, já que vai passando o período de tempo em que as crianças começam a falar, e nada do seus filhos conseguir atingir esse ponto.

Por isso, é muito importante que os pais estejam atentos e conheçam mais sobre os aspectos do desenvolvimento e, possivelmente, o atraso da fala, identificando essas as principais razões para a resposta sobre “meu filho não fala”.

Marcos do desenvolvimento da fala

Marcos do desenvolvimento da fala

Existe um conceito muito discutido na pedagogia, que são os marcos do desenvolvimento infantil. Nesse conceito, a fala é um dos principais marcos, pois pode ser determinante para mostrar características psicológicas e físicas das crianças.

Por isso, existem tabelas desenvolvidas para que os pais possam acompanhar a quantidade de palavras que as crianças deveriam saber em determinadas idades, caso ela esteja dentro do padrão de desenvolvimento considerado normativo. Confira:

Marcos do desenvolvimento da fala

O infográfico acima, desenvolvido através da utilização de diferentes fontes, mostra o desenvolvimento da fala das crianças, e também percorre sobre a linguagem, é interessante para que os pais que buscam a resposta da pergunta meu filho não fala o que fazer, possam buscar ajuda.

Como vimos, por volta de 1 ano e meio, as crianças já devem ter a capacidade de falar em torno de 20 palavras diferentes. Em apenas 6 meses a mais, ou seja, quando a criança tem 2 anos, ela já deve ter a capacidade de desenvolver e falar em torno de 200 palavras.

Claro, esses dados são levados em consideração as crianças que não apresentam atraso da fala e, por isso, não é a resposta para a pergunta do por que meu filho não fala. Mas, é importante observar para que os pais tenham uma base, entendendo se seus filhos se enquadram ou não nesses padrões do desenvolvimento da fala. 

Qualquer fuga do padrão normativo do desenvolvimento da fala deve ser analisado com a ajuda de um profissional da área, o fonoaudiólogo.

Atraso na fala, qual o motivo?

Como dissemos, existem diferentes motivos que podem ser a resposta do porque meu filho não fala. Na grande maioria dos casos, está relacionado a alguma condição neurológica, mas também pode ser associado às relações, ao convívio e ao ambiente em que as crianças estão inseridas. Confira alguns dos possíveis motivos e por que eles influenciam nessa questão.

Transtorno do espectro do autismo (TEA)

Transtorno do espectro do autismo (TEA)

O transtorno do espectro do autismo (TEA), também conhecido apenas como autismo, é uma condição neurológica, que afeta diretamente as capacidades de desenvolvimento dos portadores. 

Um dos principais pontos em que ele influencia é na questão da comunicação social. Não necessariamente um atraso na fala, pois temos muitas crianças autistas que falam dentro da idade esperada, porém, geralmente é na comunicação que o atraso é visível.

Porém, o atraso na fala também é um dos pontos em comum para a primeira desconfiança de muitos pais de crianças autistas. Lembrando que não é um critério diagnóstico o atraso na fala, porém ele é comum.

Observando os marcos de desenvolvimento da fala, você pode observar que, logo nos primeiros meses de vida, os bebês já deveriam ser capazes de emitir alguns sons, como balbuciar. Em 18 meses, as palavras já deveriam começar a ser faladas.

Entretanto, em algumas crianças autistas, nem sempre é exatamente assim que acontece. Elas podem apresentar atraso na fala justamente pelo seu trasntorno do neurodesenvolvimento. Muitas vezes, elas compreendem o que está sendo dito ao seu redor, mas não conseguem se expressar através da linguagem e da fala, ou seja, emitindo os sons adequados para sua expressão.

Por isso, essa pode ser uma das principais respostas para o por que meu filho não fala.

Transtorno da comunicação pragmático

Transtorno da comunicação pragmático

O transtorno da comunicação pragmática pode ser mais um dos motivos da pergunta: por que meu filho não fala. 

Durante muito tempo, esse transtorno, que afeta a capacidade comunicativa, da produção de expressões linguísticas e propriamente da fala, foi diagnosticado como um dos sintomas do autismo, mas é preciso separar as duas coisas. Essa pode ser mais uma opção de resposta do porque meu filho não fala.

Muitas vezes, as crianças possuem apenas essa característica em específico, ou seja, o transtorno na comunicação. Entre as consequências desse transtorno, pode estar, por exemplo, o atraso no desenvolvimento da fala.


Entretanto, caso a pessoa possua dificuldades de se comunicar e atraso na fala, mas ao mesmo tempo possui características diretas do autismo, como o repetição de movimentos e ações, esses dois conceitos devem ser separados, para que o diagnóstico não seja errado e os tratamentos escolhidos sejam o mais adequados para cada condição.

Se você se pergunta meu filho não fala, considere essa investigação sobre o tema.

Deficiência intelectual

Deficiência intelectual

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais — DSM-V, a deficiência intelectual é caracterizada por déficits intelectuais, funcionais e conceituais.

Ou seja, pessoas que possuem essa deficiência, têm mais dificuldade em desenvolver capacidades nesses quesitos, o que pode prejudicar a evolução social, a comunicação, o progresso escolar e também gerar o atraso na fala.

Existem diferentes graus de deficiência intelectual, sendo que 4 níveis são os principais: leve, moderada, grave e profunda. De acordo com o nível, pode ser mais perceptível ou não essa condição. 

Em casos profundos, por exemplo, é bastante identificável, facilitando o diagnóstico. Entretanto, em casos leves, o diagnóstico mais preciso só pode ser realizado por volta dos 5 anos de idade, pois se não, pode ser confundido com outra condição, como o atraso no desenvolvimento. 

Portanto, o atraso na fala pode estar relacionado ao déficit intelectual. Somente com profissionais especializados nessa área para conseguir separar as informações específicas de cada diagnóstico.

Apraxia de fala

É um distúrbio motor da fala, caracterizado pela dificuldade de programação e planejamento das seqüências dos movimentos motores da fala, resultando em erros de produção dos sons (Hall, 2007). 

Se até agora a pergunta meu filho não fala, não foi respondida para você, vale a pena ler mais sobre apraxia de fala.

Quais as manifestações clínicas? Quais as dificuldades apresentadas pelas crianças com Apraxia?

– Bebês são considerados “quietos”; vocalizam e balbuciam pouco;

– Repertório limitado de vogais (dificuldade em produzir as vogais) e de consoantes;

– Variabilidade de erros (a criança pode apresentar diferentes “trocas na fala”). Fala de difícil compreensão;

– Maior número de erros quanto maior a complexidade silábica ou discursiva (quanto mais extensa a palavra, maior será a dificuldade);

– Instabilidade na produção da fala (tem dia que a fala está pior, ou melhor);

– Alteração prosódica (melodia da fala é diferente/”estranha”). Fala pode ser monótona;

– Déficits no tempo de duração dos fonemas, pausas (podem apresentar prolongamentos, hesitações). “Lentidão” para falar.

– Procura do ponto articulatório (a criança fica procurando o ponto articulatório, por exemplo, ao falar “pato”, pode falar “bato” “cato” “lato”…até chegar no “pato”.

– Pobre inventário fonético: pobre domínio dos sons da fala. Os pais têm a impressão de que a criança não sabe o que fazer com a boca, parece desconhecer os movimentos necessários para a fala (não movimenta adequadamente a língua);

– Atraso no aparecimento das primeiras palavras (os pais relatam que demorou a começar a falar);

– Alterações em outros aspectos da linguagem oral (como por exemplo, vocabulário pobre, dificuldade para produzir frases mais elaboradas, para relatar fatos, etc);

– Pode apresentar além da dificuldade motora na fala, outras dificuldades, como na coordenação motora fina, para se alimentar, mastigar, se vestir, para andar de bicicleta (os pais podem perceber uma inabilidade motora geral).

Existem diferentes terminologias que são utilizadas para Apraxia de Fala, tais como:
Apraxia Desenvolvimental de Fala;
Apraxia Articulatória;
Dispraxia Verbal;
Dispraxia Articulatória Desenvolvimental;
Apraxia Verbal da Infância;
Apraxia Verbal Desenvolvimental;
Síndrome do Déficit de Programação Fonológica, etc

No entanto, a Associação Americana de Fonoaudiologia (American Speech-Language-Hearing Association (ASHA, Ad Hoc Committee on Apraxia of Speech in Children) recomenda que o termo: Apraxia de Fala na Infância.

O ato da fala é altamente sofisticado. É um processo cerebral que envolve músculos da boca, da face, da língua, do palato, faringe. O controle motor da fala é complexo e depende de mecanismos cerebrais específicos e acredita-se que nos quadros de Apraxia, estes mecanismos não conseguem se integrar, gerando falhas no processamento, no planejamento e na execução da fala. Crianças com apraxia têm consciência de suas dificuldades, “tentam falar corretamente, mas não conseguem”.

Será que meu filho não fala porque tem apraxia de fala? A profissional que poderá te responder essa pergunta é uma fonoaudióloga que entende de apraxia de fala.

Fonte do texto acima

Me falaram que é preguiça, pode ser?

Me falaram que é preguiça, pode ser?

Se você ouvir que a resposta do por que meu filho não fala é preguiça, desconsidere isso rapidamente. Existem muitas expressões utilizadas pelo senso comum para tratar situações como essa, que acabam gerando mais dúvidas e dificultando a identificação do problema mais rapidamente. 

Por isso, é importante estar a par dessas expressões que são muito utilizadas, e que, obviamente, não é recomendado se basear nelas. Confira alguns exemplos:

  • “Meninos demoram mais para falar” 
  • “Meninas falam mais rápido” 
  • “Só procure fono depois dos 3 anos” 
  • “Os grandes gênios falaram com 5 anos” 
  • “É preguiça dele(a)” 
  • “Ele é mimado(a)” 
  • “Cada criança tem seu tempo”


Como dissemos, você provavelmente ouvirá alguma dessas expressões, seja de um parente próximo, de um colega de trabalho ou de qualquer pessoa que seja. Mas, é fundamental que você não torne isso uma verdade, porque pode fazer com que os pais se despreocupe. Quando se perguntar porque meu filho não fala e ouvir qualquer uma dessas respostas, ignore, pois elas só atrasam a sua busca por respostas.

O atraso na fala é uma situação importante, que interfere no desenvolvimento direto das crianças. Por isso, se identificar, não persista na negligência. Procure ajuda e busque identificar o que pode estar acontecendo. No link a seguir, inclusive, você pode conferir um conteúdo que debate mais a fundo justamente essas questões. 

Meu filho não fala, o que posso fazer para ajudar?

O que posso fazer para ajudar?

Em situações como essa, em que os pais percebem que está acontecendo algo diferente, e o desenvolvimento da fala está atrasado, é preciso compreender quais são os possíveis motivos.

Como a maioria das razões que citamos anteriormente são condições neurológicas, o especialista mais indicado para identificar o principal motivo, são os neuropediatras. Por isso, esse pode ser um primeiro passo importante.

Buscar um fonoaudiólogo também pode ser interessante, já que o atraso na fala também pode estar relacionado a problemas na capacidade de conseguir realizar o ato da fala.

Por fim, você pode também buscar ajuda de forma natural, ou seja, tentando estimular seus filhos que possuem esse atraso através do estímulo da linguagem e da fala, utilizando dicas básicas. Confira alguns exemplos de dicas que facilmente encontramos na internet:

  • Quando for conversar com a criança, busque ficar na mesma altura que ela;
  • Não dificulte: use sentenças simples, curtas e diretas;
  • Brinque de imitar sons do ambiente;
  • Cante músicas e conte histórias;
  • Deixe-o tentar se expressar e mostre interesse por essa ação;
  • Não faça tudo pela sua criança, deixe-a tentar comunicar o que quer;
  • Não seja a mãe adivinha – aguarde o tempo da criança para que ela consiga construir uma forma de comunicar o pedido;
  • Converse muito com seu filho;
  • Narre ações;
  • Realize brincadeiras de imitação;
  • Realize brincadeiras de comandos e ações juntos;

Conclusão

Podemos concluir com o artigo que, o atraso na fala, apesar de ser uma condição que acomete uma grande quantidade das pessoas, principalmente pelo fato de estar relacionado com diversos transtornos neurológicos, ainda é um assunto que atormenta e causa dores nos pais.

Como vimos, o momento das primeiras palavras ditas pelos filhos é único, e um dos mais importantes da relação pais e filhos. Mas, quando ocorre o atraso na fala, esse momento pode demorar a acontecer. Por isso, é fundamental buscar entender o por que disso estar acontecendo, tentando identificar as razões e as possíveis soluções para cada caso.


Quer saber mais sobre o assunto? Me siga no instagram.

Compartilhe esse conteúdo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Gostou do conteúdo? Deixe um comentário

Conteúdos que você também pode gostar