Como saber a diferença entre birra e crise?

Como saber a diferença entre birra e crise?
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área todos os dias aqui e em minhas redes sociais.

Para você que é mãe ou pai, é bem provável que você já tenha ficado irritada ou preocupada com algum comportamento do seu filho(a). Na infância, é bastante comum relatos de comportamentos como gritos, beliscões, choro alto e até outros tipos de agressão. Mas, calma! É possível tentar identificar a diferença entre birra e crise. 

Segundo dados coletados através de uma pesquisa realizada com pais pela Revista Crescer, a maior parte das crianças começam a fazer birra entre 2 e 4 anos. Quer dizer, juntamente com o período em que começam a interagir com mais crianças, se desenvolver e começar a entender melhor o mundo. 

Dessa maneira, o processo de educação influencia muito no aparecimento de possíveis birras. Afinal, esse é um dos momentos em que cada criança aprende a respeitar regras e lidar com proibições. Quer dizer, faz parte da construção da criança como ser humano a necessidade de assimilar os limites. 

No entanto, aí está uma das principais discussões acerca da diferença entre birra e crise, visto que a birra, resumidamente, é a criança entendendo seus limites e lidando com a frustração de não conseguir determinado objetivo. Já a crise, no TEA (Transtorno do Espectro do Autismo) por exemplo, pode ser uma questão de overload sensorial. Assim como no TOD pode ser uma desregulação emocional, ou seja, não é somente uma birra ou frustração, já é uma criança que precisa de ajuda para se acalmar e entender o que pode fazer naquele momento.

Se você quiser ler um pouco mais sobre a diferença entre birra e crise, acompanhe um pouco mais detalhadamente no texto abaixo: 

O que é birra e porque eles fazem?

O que é birra e porque eles fazem?

Como já começamos a discutir acima, a birra é um comportamento bem comum em crianças de 2 a 4 anos. Em linhas gerais, pode-se dizer que é uma estratégia para se tentar conseguir algo que foi negado à ela, ou seja, uma tentativa de fazer a situação se reverter a seu favor. 

Para isso, as crianças utilizam de artifícios considerados apelativos muitas vezes, como chorar na frente de muitas pessoas, por exemplo. No entanto, é um comportamento que também pode ser controlado. Aliás, essa talvez seja uma grande diferença entre birra e crise. 

Pense: a forma como os cuidadores (pais, avós, professores e etc) reagem à birra é uma das grandes respostas para saber se aquele comportamento irá se repetir. Isso porque, diferentemente do que veremos em relação à crise mais à frente, os comportamentos de birra podem diminuir facilmente utilizando a estratégia comportamental correta frente à ele, que pode ser ignorar o comportamento, redirecionar o foco, realizar um reforço positivo a outro comportamento incompatível com o inadequado, entre outras estratégias…

Não é simplesmente ignorando a criança que a situação vai se resolver, até porque você não quer que isso venha a se tornar uma crise. Isto é, sempre procure conversar com seu filho(a) sobre todos os comportamentos e explicar para ele o porquê aquilo não é legal, validando sempre a emoção que envolveu a situação.

Porém é preciso ter calma, já que cerca de 20% das crianças dessa faixa etária costumam apresentar pelo menos uma vez por dia, o que às vezes faz que os pais tomem atitudes negativas como gritar com o filho.

O que é crise e como identificar ela?

Agora, também é sempre importante avaliarmos situação por situação. Afinal, apesar das birras serem comuns, os pais sempre precisam estar atentos para notar se não é nenhum transtorno de neurodesenvolvimento. Isto é, assim como nas crianças que possuem o TEA, TOD ou TDAH, as crises são reflexos de emoções desreguladas. Elas acabam agindo de maneira impulsiva e não planejada.

De forma mais didática, a crise é um tipo de colapso na capacidade que a pessoa tem de administrar as próprias emoções, sentimentos e até mesmo ações. Até por isso, é bem comum existir a dúvida entre a diferença entre birra e crise, visto que alguns comportamentos podem se exteriorizar da mesma maneira. 

Assim, pode-se dizer que, da mesma forma como é definida pelo google (estado de súbito desequilíbrio ou desajuste nervoso, emocional), a crise é uma manifestação de algum sentimento por uma situação de tensão, de conflito. Vale destacar que elas também podem provocar reações no corpo, como frequência cardíaca acelerada, pressão arterial aumentada e frequência respiratória acelerada. Quer dizer, os pais precisam sempre estar atentos antes de pensar que é somente birra e “é só ignorar que passa”. 

Mas qual é a diferença entre birra e crise?

A diferença entre birra e crise

Enfim, para dar uma amarrada maior no assunto, vamos retomar um pouco sobre a diferença entre birra e crise. Bom, para começar, a birra é uma manifestação de comportamentos mais controlável. Isto é, torna-se claro quando é birra a partir do momento em que o comportamento cessa ao atingir tal objetivo. Na crise, as manifestações acontecem por conta de distúrbios do processamento sensorial ou desregulação do sistema emocional, falta de repertórios e estratégias para lidar com situações.

Algumas das principais causas das birras em crianças: 

→ Temperamento; 

Fome, cansaço e superestimulação (o cérebro libera adrenalina e cortisol, fazendo com que a criança fique tensa);

→ Frustração e perda de controle;

→ Grandes emoções (raiva, vergonha, nojo, ansiedade e preocupação).

Além disso, outra diferença entre birra e crise é que a birra costuma ter um direcionamento, ou seja, alguém que “precisa notar” o choro, o grito e etc. Na maior parte das vezes, o objetivo é chamar atenção de adultos. Já as crises podem ocorrer quando a pessoa está sozinha. Ademais, a birra é algo muito marcado nessa idade entre os 2 e os 5 anos de idade. Já a crise, se não for controlada, pode persistir até a vida adulta. 

Por fim, se você é mãe e tem percebido seu filho “fazendo birra” com muita frequência e não tem conseguido identificar o motivo, é sempre importante não cometer três erros básicos dos pais nessas situações: se desesperar, ignorar e brigar. Se ainda assim os comportamentos permanecerem, procure a ajuda de algum profissional,

Talvez eu possa te ajudar! 

Gostou do meu conteúdo? Então acesse minhas redes sociais que eu te dou mais dicas e conselhos sobre as crianças e principalmente eu explico como identificar se é birra ou crise, e como agir mediante a situação.Para mais conhecimentos sobre TEA, desenvolvimento infantil, seletividade alimentar, homossexualidade no começo da vida e outros temas presentes na psicologia, inscreva-se agora mesmo no meu canal do Youtube e me siga no Instagram. Além disso, você pode acessar o blog do site e ficar inteirada(o) sobre mais textos como esse.

Por lá, você fica sabendo de diversos conteúdos interessantes não só para quem é mãe, mas também para todos que querem mergulhar mais no mundo das questões infantis. 

Compartilhe esse conteúdo
WhatsApp
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Conteúdos que você também pode gostar
Calandar (2)
20 de maio de 2024
A integração necessária para a...
Calandar (2)
15 de março de 2024
As estereotipias do autismo são...
Calandar (2)
13 de março de 2024
O hiperfoco infantil é um...
Calandar (2)
11 de março de 2024
O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é...
Calandar (2)
5 de março de 2024
Os transtornos infantis são condições...

Newsletter: Receba Notícias e Conteúdos

Receba as novidades do mundo da Terapia Infantil toda semana!

Jornada Terapeuta Infantil de Sucesso

Aprenda a se desenvolver mais como terapeuta infantil, como lotar sua agenda e fazer a gestão do seu consultório do zero.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Digite o que procura abaixo