Qual é o Melhor Teste para Diagnosticar TOD?

Qual é o melhor teste para diagnosticar TOD?
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área todos os dias aqui e em minhas redes sociais.

Você provavelmente já conheceu uma criança difícil que fazia muita birra, gritava com os pais e quebrava coisas. O que você pode não saber é que, em alguns casos, essa criança pode sofrer do Transtorno Opositivo-Desafiador (ou Opositor-Desafiador) – TOD. Por ser um agravamento nas atitudes “rebeldes” da criança, o transtorno pode ser muitas vezes confundido com má-criação, “manha” ou excesso de “mimo” dos pais. Sendo assim, é muito importante conhecer e saber como aplicar o melhor teste para diagnosticar TOD

O que é o Transtorno Opositivo-Desafiador (TOD)

Descrito na última edição do Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais (DSM-5) como um como um transtorno que causa comportamentos raivosos, vingativos ou desafiadores principalmente em crianças e adolescentes. 

Uma criança com TOD apresenta com frequência pelo menos quatro dos oito sintomas indicados no DSM-5:

  • perde a calma;
  • é facilmente incomodada
  • é raivosa ou ressentida
  • questiona figuras de autoridade
  • se recusa a obedecer regras
  • incomoda outras pessoas de propósito
  • culpa os outros por seus próprios erros
  • foi vingativo pelo menos duas vezes nos últimos seis meses. 

Pensando apenas nos sintomas pode parecer que uma criança com TOD seja apenas malcriada ou muito mimada, mas na verdade o transtorno se refere a uma situação muito mais séria, e é por isso que o teste para diagnosticar TOD é tão importante. 

Quais são as características do TOD?

Quais são as características do TOD?

Primeiro, é preciso entender que no próprio Manual Diagnóstico estão eliminados os comportamentos que se possam considerar comuns para a idade, como os “terrible two” (termo que se refere aos “terríveis dois anos de idade”), a rebeldia moderada na adolescência e outras condutas que são comuns em outras crianças e jovens.

Por esse motivo é que alguns dos primeiros critérios a serem considerados no diagnóstico do TOD são a frequência dos comportamentos opositores-desafiadores e a continuação deles mesmo depois da idade em que esses comportamentos normalmente acontecem. Esses comportamentos precisam ser responsáveis por trazer PREJUÍZOS comportamentais e/ou sociais para a criança.

Uma criança que tenha o Transtorno Opositivo-Desafiador pode, muitas vezes, se deixar levar pela frustração ou irritações de uma maneira que é o esperado para a idade: com muita sensibilidade, reações extremas e um rancor prolongado. Outra característica marcante nas características do TOD é a desobediência aos mais velhos, principalmente os que a criança deveria respeitar mais, como o pai, a mãe e os professores, por exemplo, as ditas “figuras de autoridade”.


There is no ads to display, Please add some

É importante ressaltar que, além daqueles requisitos mais básicos para identificar uma criança com TOD (a frequência dos comportamentos e a diferença com o que se espera pela idade da criança), um fator muito importante que também define o transtorno é o impacto que as atitudes disruptivas têm na vida social do pequeno. Na grande maioria dos casos, os ataques de raiva, a teimosia e o desrespeito às autoridades trazem vários prejuízos na vida da criança, principalmente entre na escola, no relacionamento com os pais e com os amiguinhos. 

Qual o melhor teste para diagnosticar TOD?

Qual o melhor teste para diagnosticar TOD?

O Transtorno Opositivo-Desafiador é uma transtorno que só pode ser diagnosticada por um especialista, por meio de observação e análise clínica. Ou seja, ao analisar os sintomas, a duração e os prejuízos causados, o profissional determina se a criança tem o TOD ou não, o que pode ser difícil mesmo para um médico especializado, já que a muitas crianças podem apresentar parcialmente alguns dos comportamentos citados acima.

Para eliminar atitudes normais das crianças, que podem ser apenas sintomas de cansaço, fome, imaturidade, entre tantas outras coisas, o profissional precisa fazer uma boa anamnese para esclarecer a real frequência e intensidade desses comportamentos, o que geralmente inclui conversas com os pais e até professores da criança. Além disso, existe a possibilidade de vários outros transtornos serem confundidos com o TOD, entre eles o TDAH, transtornos de ansiedade, entre outros. 

Os pais e até os professores da criança têm um papel fundamental no diagnóstico do Transtorno Opositivo-Desafiador, já que o primeiro teste para diagnosticar TOD é observar os comportamentos da criança e como eles afetam a vida social do pequeno. Outro elemento importante é o fato de que os primeiros sintomas costumam aparecer ainda na pré-escola, então os pais e professores devem estar atentos.

Muitas vezes os pais podem perder a paciência com o filho sem perceberem que ele pode estar sofrendo de um transtorno que necessita de ajuda profissional, e por isso é tão importante conhecer bem os sintomas e alertas que podem indicar que a criança tem TOD. 

Como funciona o teste para diagnosticar TOD?

Como funciona o teste para diagnosticar TOD?

O diagnóstico clínico, feito por um profissional, acontece depois da análise de todas as possibilidades apresentadas no DSM-5. É preciso checar se existe a possibilidade de haver outros transtornos agindo, se o comportamento é esperado de acordo com a idade e com a frequência que tem acontecido e se os sintomas são suficientes para montar o quadro de Transtorno Opositivo-Desafiador. Como vimos, é preciso que pelo menos quatro sintomas estejam frequentemente presentes na conduta da criança, dentro da lista oferecida pelo próprio Manual Diagnóstico. 

Quais profissionais podem realizar o teste para diagnósticar TOD?

Para que a criança ou adolescente possa ser diagnosticada com o Transtorno Opositivo-Desafiador, é preciso que um especialista médico ou da área da psicologia realize a análise. Alguns exemplos de profissionais ideais para essa tarefa são os psiquiatras, psicólogos, neuropsicólogos e neuropediatras. 

Mesmo que os pais ou cuidadores da criança percebam que estratégias que supostamente deveriam funcionar (como sentar e conversar, explicar e como se deve fazer ou até proibir certas ações) não estão tendo nenhum efeito ao longo do tempo, é preciso da avaliação clínica de um profissional para saber se a criança ou o adolescente de fato tem o TOD. Isso porque muitos fatores diferentes e outros transtornos podem criar situações extremamente parecidas, e o profissional vai saber como rastrear corretamente as possíveis causas. 

E aí sim, pode ser que seja necessário o uso de medicamentos para auxiliar essa criança. Ou então, com a pesquisa os pais descobrem que o filho tem algum outro transtorno central e o TOD é uma comorbidade, ou seja, um transtorno associado. Podemos considerar o TEA, o TDAH, alguma mutação genética, alguma síndrome, DI… por isso é tão importante a busca por profissional especializado.


There is no ads to display, Please add some

Então… Busque ajuda se quer realizar um teste para diagnosticar tod na sua criança!

Entender sobre como o mundo das crianças funciona e quais os comportamentos que se deve esperar dos pequenos é um grande passo para prevenir que possíveis transtornos piorem e, também, para identificar cedo quando algo está errado, já que quanto mais jovem for a criança, mais eficaz será a intervenção especializada. 

Por isso, se você quer saber como estar preparado para ajudar seu pequeno no amadurecimento e desenvolvimento das várias partes da vida da criança, dá uma olhada nos artigos no meu blog e me acompanhe também pelo Instagram, YouTube e no TikTok!

Compartilhe esse conteúdo
WhatsApp
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Conteúdos que você também pode gostar
Calandar (2)
11 de abril de 2024
Abrir um consultório de psicologia...
Calandar (2)
7 de abril de 2024
Planejar uma consulta de psicologia...
Calandar (2)
3 de abril de 2024
A busca por especialização em...
Calandar (2)
28 de fevereiro de 2024
A intervenção de qualquer transtorno...
Calandar (2)
27 de janeiro de 2024
A prática da psicologia infantil...
Calandar (2)
25 de janeiro de 2024
A Psicologia Infantil desempenha um...
Calandar (2)
21 de janeiro de 2024
O desenvolvimento emocional e cognitivo...
Calandar (2)
15 de janeiro de 2024
Como sabemos, a  Psicologia Infantil...

Newsletter: Receba Notícias e Conteúdos

Receba as novidades do mundo da Terapia Infantil toda semana!

Jornada Terapeuta Infantil de Sucesso

Aprenda a se desenvolver mais como terapeuta infantil, como lotar sua agenda e fazer a gestão do seu consultório do zero.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Digite o que procura abaixo