Terapia para crianças – 7 pontos de atenção

Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área. Quer conversar comigo? Só deixar um comentário no final do conteúdo.

Você provavelmente já recebeu esse conselho: “faça terapia”. Diferente do que muitas pessoas pensam, a terapia é, sim, um recurso muito importante para manter o psicológico bem trabalhado. Entretanto, a abordagem da terapia para crianças se difere bastante das que os psicólogos costumam ter com os adultos.

Para saber como funciona a terapia para crianças, quando é necessário levar o seu filho para um especialista da área, quais os tipos, escolha do terapeuta e muito mais, é só seguir com a gente e conferir!

Como funciona a terapia para crianças?

Entenda a importância de terapia para crianças

Na infância, as crianças ainda estão desenvolvendo diversas capacidades motoras, cognitivas e comportamentais. Considerando isso, é muito comum que os pais percebam alterações comportamentais em seus filhos, e que, através delas, acabem buscando a terapia para crianças.

A partir de uma dúvida inicial do que podem fazer para ajudar seus filhos, os pais acabam buscando a terapia para crianças, focando em melhorar o comportamento percebido.

Para começar, é preciso realizar uma entrevista com os pais das crianças para entender quais são os motivos que os levaram até ali. Além disso, compreender a rotina, as convivências, os estímulos sociais e outros aspectos também é muito importante.

A partir dessa conversa com os pais, o terapeuta terá uma noção maior de qual o problema principal. Dessa maneira, a abordagem usada pelos especialistas virá de acordo com o problema apresentado, visando uma melhora após sessões semanais.

Cada terapeuta possui uma abordagem específica, por isso, é fundamental que os pais escolham alguém de confiança. Cada abordagem tem uma forma de enxergar e intervir com a criança, mas todos partem de uma conversa inicial com os pais para alinhar expectativas e compreender melhor o motivo da busca pela terapia para crianças.

Geralmente, a forma como os terapeutas lidam com as sessões com as crianças, é através de atividades lúdicas. Brincadeiras e interações são sempre muito bem-vindas, pois, isso costuma prender a atenção das crianças e transforma o ambiente terapêutico em algo prazeroso.

Quando devo procurar uma psicóloga para meu filho?

Quando devo procurar uma psicóloga para meu filho?

Diversos motivos podem fazer com que você leve seu filho para uma terapia para crianças. As razões se baseiam principalmente no comportamento, desenvolvimento cognitivo e histórico de convivência das crianças. Confira algumas situações em que pode ser necessário ter um tratamento psicológico:

1 – Situações traumáticas

Para começar, temos um motivo bastante intenso e preocupante. Qualquer pessoa que passe por uma situação traumática precisará se reorganizar emocionalmente. A diferente é, que quando crianças, temos menos estratégias do que quando adultos, portanto, se faz necessário uma co-regulação de um adulto para auxiliar a criança nesse processo. Nesse ponto a terapia para crianças pode ajudar seu filho a se sentir melhor.

Diversas situações podem ser traumáticas para as crianças, que ainda não entendem direito como funcionam as coisas e não tem estratégias emocionais suficientes para conseguir compreender e seguir em frente. Confira alguns exemplos:

  • Separação dos pais;
  • Falecimento de um parente próximo;
  • Falecimento de animais de estimação;
  • Parentes doentes e acamados;
  • Acidentes;
  • Violência doméstica;
  • Doenças que envolvam hospitalização;
  • Negligência;
  • Abusos.

Caso elas passem por essas ou outras situações, as emoções podem ser alteradas, o comportamento cotidiano pode mudar e, consequentemente, as interações sociais podem ser desafiadoras.

Portanto, se o seu filho passou por alguma situação traumática recente, é importante observar essas mudanças. Caso isso comece a causar problemas mais sérios de comportamento e relacionamento, é uma situação que pode requerer uma terapia para crianças.

2 – Comportamentos diferentes ou inadequados

Comportamentos diferentes ou inadequados

Esse é um dos motivos mais comuns que fazem com que os pais decidam levar seus filhos até uma terapia para crianças.

Que pai ou mãe que nunca reclamou que está tendo muita dificuldade em lidar com o comportamento dos filhos, as birras, as brigas, agressões e etc? Bom, quando essas situações se tornam rotineiras e não param, a terapia para crianças pode ser uma solução.

Mas como saber se o comportamento de meu filho realmente precisa de terapia ou é algo de “fases”? A partir do momento que isso te preocupa de alguma forma, ou que a escola também já citou, ou quando vê outras crianças da idade de seu filho e parece que realmente o comportamento dele é diferente das outras, é melhor buscar ajuda para conseguir traçar um novo caminho.

Não precisamos ter medo de conversar com um terapeuta, pois eles podem nos orientar nos primeiros passos e isso pode ajudar a acalmar as angústias dos pais.

Além disso, escapes noturnos, alterações de sono, controle de esfíncteres também são alterações passíveis de atenção para o terapeuta.

3 – Atraso no desenvolvimento

Observar algumas características do desenvolvimento das crianças, como o aprendizado da fala, do andar, das brincadeiras, alimentação, entre outros, é muito importante para perceber se existe um atraso relevante na evolução.

Quando os pais identificarem que sim, as crianças estão tendo mais dificuldades para desenvolver algumas capacidades, principalmente motoras, buscar ajuda de um especialista pode ser interessante.

Ah, mas como assim? Como saber se meu filho tem algum atraso no desenvolvimento?

Existem alguns marcos do desenvolvimento infantil, e são eles que guiam os médicos e terapeutas para entender que a criança está se desenvolvendo de acordo com a idade normativa. Quando temos algum atraso relevante, o pediatra deve saber identificar e orientar os pais.

Caso os pais consigam enxergar situações que o médico ainda não viu (como acontece em muitos casos de transtorno do espectro do autismo atualmente), os pais podem sozinhos ir buscar um especialista em desenvolvimento infantil para uma avaliação mais completa.

Existem diferentes avaliações formais para avaliar o desenvolvimento infantil e quais áreas podem estar em atraso naquela criança.

Ou seja, em caso de dúvida, busque um especialista sim.

Exemplo de ficha de avaliação do desenvolvimento infantil

4 – Dificuldades sociais

Criança com Dificuldades sociais

Existe um nível não prejudicial de variações sociais, temos crianças mais extrovertidas, com facilidade em conversar e fazer amigos. Temos crianças mais introvertidas, que tem muita vergonha de conversar com outras pessoas.

Entretanto, em casos de crianças que apresentam uma dificuldade maior na interação social, devemos ficar atentos. E devo dizer que, apresentar dificuldades na interação social não necessariamente significa “não saber falar com os amigos” pode ser exatamente ao contrário “falar sem parar com os amigos” e não entender os limites de uma conversa.

Entender que uma conversa existe o tempo de cada um para falr, para ouvir, para trocar, para compartilhar… são pontos essenciais em habilidades sociais que precisamos estar atentos ao pensar na terapia para crianças.

Através de conversas com os professores e demais educadores é possível identificar como está sendo o comportamento dos filhos nas escolas. Se descobrirem que está existindo essa dificuldade, a terapia para crianças pode ajudar.

Existem tabelas que podem ajudar os terapeutas a compreender melhor sobre as habilidades sociais e os principais déficits em algumas crianças, principalmente nas crianças autistas.

Sabemos que esse ponto é importante dentro do diagnóstico de autismo, portanto, pais atentos e escola atenta são essenciais para intervir desde cedo.

5 – Dificuldades de aprendizagem escolar

Na fase infantil, as escolas costumam ter um papel muito importante, ensinando as crianças a ler e a escrever, por exemplo. Além disso, elas auxiliam no desenvolvimento de capacidades motoras, através de brincadeiras e jogos lúdicos.

Em contrapartida, as crianças podem ter sérias dificuldades em desenvolver essas capacidades dentro de um ambiente escolar. Nesse sentido, é importante entender porque existem essas dificuldades, se é uma questão do ambiente em si, dos profissionais ou, principalmente, das capacidades da própria criança.

Essa é outra situação em que, se identificado um problema importante, os pais devem procurar ajuda de uma terapia para crianças, pois, os psicólogos possuem o conhecimento necessário para melhorar esse cenário.

Pode ser necessário a ajuda de um psicopedagogo também nessa equipe, para realmente incentivar o aprendizado dessa criança.

6 – Medos ou fobias excessivos

Comportamentos diferentes ou inadequados

É natural que as crianças possuam mais medos do que as pessoas em fases adultas, até porque ainda estão compreendendo como funcionam as coisas ao seu redor.

Dessa forma, alguns medos são comuns, e não requerem grandes preocupações. Entretanto, quando os medos e as fobias passam a atrapalhar intensamente a rotina das crianças, isso pede uma atenção especial dos pais.

Temos na tabela abaixo alguns medos principais na infância, e a tendência dos medos é serem passageiros, em fases, mas não podem gerar prejuízo social para a criança. Se os medos geram grandes prejuízos, é um sinal que precisamos de ajuda para nossa criança.

Principais medos da infância

7 – Ansiedade excessiva

O medo, que falamos anteriormente, está totalmente ligado à ansiedade. O medo gera ansiedade, e isso atrapalha o andamento da rotina das crianças.

Dessa forma, ao perceber que seu filho está mais ansioso do que o normal, a terapia para crianças é uma medida que pode ser necessária.

Ansiedade é uma preocupação excessiva, e todos temos nossas pequenas ou grandes preocupações diárias.

A questão aqui é quando essa preocupação começa a ser prejudicial para a criança, fazendo com que ela perca possíveis momentos divertidos no presente por se preocupar com o que vai ter no “amanhã”.

Que tipos de terapia para crianças existem?

Terapias para crianças

Existem diferentes abordagens que podem ser utilizadas pelos terapeutas em uma terapia para crianças. Como dissemos, a escolhida varia de acordo com o problema apresentado e com o vínculo que os pais e paciente fazem com o terapeuta.

Dentro da comunidade psicológica, existem algumas abordagens que são bastante exploradas, que funcionam de maneiras diferentes. Conheça alguns:

  • Ludoterapia;
  • Gestalt-terapia ;
  • Psicanálise;
  • Desenvolvimentista;
  • Terapia cognitivo comportamental;
  • Sistêmica.

Além desses métodos e abordagens muito usuais em uma terapia para crianças, existem ainda outros tratamentos que podem ser utilizados para auxiliar em questões do desenvolvimento, comunicação e interações sociais, como fonoaudiólogos, psicopedagogas e terapeutas ocupacionais.

Como escolher a terapeuta do meu filho?

Essa é uma decisão particular, e deve ser tomada com muito cuidado. Como cada terapeuta possui uma forma específica para lidar com as diferentes questões apresentadas, é importante se informar e pesquisar bem antes de buscar seu terapeuta infantil.

Escolher um terapeuta de confiança, recomendado por alguém, por exemplo, é um começo interessante.

Além disso, é importante analisar se o método utilizado pelos terapeutas vai auxiliar nessas mudanças, de acordo com as dificuldades apresentadas pelos pais.

Obviamente, ainda existem outros aspectos, como a localidade e o orçamento, que podem ser determinantes nesta escolha.

Verificar as formações e certificados da terapeuta também são opções importantes para entender se ela é realmente certificada naquilo que está te apresentando.

Portanto, a determinação de qual terapeuta de terapia para crianças é melhor, deve considerar todos esses aspectos. Postos na balança, a decisão deve ser exclusivamente feita pelos pais da criança.

Se meu filho fizer terapia, eu também preciso fazer?

Terapia de pais

Essa ideia varia muito de acordo com a situação apresentada e as abordagens feitas pelos terapeutas infantis.

Existem terapeutas que propõe que os pais entrem dentro de sessão, e outros que preferem atuar diretamente com a criança, ambos estão corretos e podem atuar da forma que acharem melhor.

Mesmo esses pais recebendo as orientações da terapeuta para atuar com seus filhos, é importante sim que eles também busquem terapia individual, para lidar com outras questões que tenham dentro de si.

Nesse caso, a mãe ou o pai podem ser orientados a procurar um psicólogo à parte, pois, muitas coisas na relação pais e filhos podem ser melhor compreendidas nessas terapias, ajudando ambos.

Conclusão

Em caso de preocupação com seu filho, sobre comportamentos, desenvolvimento, atraso na fala, dificuldades sociais, o importante mesmo é buscar ajuda para seu filho.

A terapia para crianças pode ser muito lúdica e divertida, e realmente reconstruir os pontos essenciais para seu filho se sentir melhor.

A terapia é um processo muito importante, tanto para adultos, como para crianças. Nesse sentido, existem diferentes tratamentos e abordagens que podem ser utilizadas para auxiliar os pais em situações variadas. A escolha por qual tratamento escolher, qual o profissional mais indicado e quando procurar por essa ajuda, depende dos critérios da família, avaliando se existe alguma mudança comportamental, dificuldade no desenvolvimento, problemas de relacionamento, etc.

Quer saber mais sobre o assunto? Me siga no instagram, onde eu relato todo o meu trabalho com crianças autistas!

Compartilhe esse conteúdo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Gostou do conteúdo? Deixe um comentário

Conteúdos que você também pode gostar