Como trabalhar a rigidez cognitiva no autismo?

Como trabalhar a rigidez cognitiva no autismo?
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área todos os dias aqui e em minhas redes sociais.

É muito provável que você já tenha ouvido falar na flexibilidade cognitiva, que é uma função executiva responsável pela criatividade do indivíduo, além da capacidade de solucionar problemas de maneiras diferentes e adequar rotinas e tarefas ao que as circunstâncias pedem. Acontece que, nas pessoas com Transtorno do Espectro Austista, muitas vezes essa função apresenta alguns déficits. O que fazer, então, para diminuir a rigidez cognitiva no autismo?

O que é a rigidez cognitiva no autismo?

Antes de entender como trabalhar e aprimorar a flexibilidade cognitiva nas pessoas com TEA, é importante entender primeiro o que é a rigidez cognitiva no autismo. Esse aspecto cognitivo é um dos fatores que influenciam o diagnóstico do TEA e é o responsável pelos comportamentos repetitivos, apego excessivo à rotina, interesse obsessivo em algum assunto ou brinquedo, entre outros comportamentos que demonstram a falta de capacidade de mudança e adaptação. 

Pessoas com o pensamento rígido, muitas vezes, têm dificuldade em aceitar a visão e pensamentos de outras pessoas e podem ficar extremamente angustiadas quando algo acontece diferente do esperado ou planejado, quando a rotina muda, por exemplo, e, no caso de crianças, quando alguma brincadeira é interrompida ou termina diferente do que a criança estava acostumada. 

É importante ressaltar que, no caso de pessoas com TEA, essa característica não é fruto de teimosia ou falta de educação. Ainda que esses traços levem a muitas condutas opositoras, a rigidez cognitiva no autismo não acontece por escolha da pessoa. É uma condição que afeta, em maior ou menor grau, a maioria das pessoas no espectro.

Por que pessoas no TEA têm rigidez cognitiva?

Por que pessoas no TEA têm rigidez cognitiva?

Existem algumas hipóteses que tentam explicar o que pode causar essas características nas pessoas com autismo. Uma dessas hipóteses aparece nesta pesquisa acadêmica, onde os autores apontam que os padrões que definem a rigidez cognitiva no autismo poderiam ser resultados de uma alteração no lobo frontal, que comanda as funções executivas do cérebro (controle do movimento voluntário, envolvido na atenção, memória de curto-prazo, motivação, planejamento e fala).

Apesar disso, o mesmo estudo também aponta que pesquisas feitas com Ressonância Nuclear Magnética (RNM) no cérebro de autistas apontaram alterações no lobo frontal e em outras regiões do cérebro, mas não de forma consistente: nem todas as pessoas no TEA apresentam essas alterações. Ou seja, ainda não existe uma resposta definitiva para entender a rigidez cognitiva no autismo

Como melhorar a rigidez cognitiva no autismo

Um dos principais métodos para aumentar a flexibilidade cognitiva das crianças com TEA é por meio da dessensibilização sistemática: expor a criança, gradualmente, a situações em que seja possível criar novas soluções para problemas ou brincadeiras, por exemplo. Essa estratégia vai ser mais efetiva se o psicólogo ou cuidador conseguir que a própria criança se engaje nos processos de mudança, e para isso é possível aproveitar dos interesses e motivações que ela já tem. 

Outra abordagem que pode ser muito boa é explicar exatamente o porquê da importância de uma mudança. A rigidez cognitiva, muitas vezes, está conectada ao fato de que a pessoa no TEA pode ter dificuldade em analisar e compreender todas as informações do ambiente e das pessoas ao seu redor, por isso algumas regras se tornam tão importantes, pois constroem a base de sua convivência. Sendo assim, se os pais ou cuidadores da criança explicarem objetivamente e com todos os detalhes possíveis o motivo de uma mudança ser necessária ou benéfica para o pequeno, o trabalho todo fica mais fácil. 

Podem usar também histórias sociais para ajudar a criança nesse trabalho de explicar o motivo da mudança.

Com as tarefas de casa e atividades cotidianas também dá para avançar bastante no trabalho da rigidez cognitiva no autismo. Os pais podem, por exemplo, sugerir que o filho troque a ordem de algumas tarefas que realiza, como a hora de escovar os dentes ou tomar banho. Pedir sugestões ao pequeno sobre o que poderiam comer no almoço ou na janta também ajuda ele a exercitar mais as possibilidades na mente.

Jogos podem ajudar

Jogos podem ajudar

Com brincadeiras e jogos também é possível criar melhorar a rigidez cognitiva no autismo. Brincadeiras que estimulem o uso da imaginação, além de jogos nos quais seja possível alterar as regras (pode ser que a criança apresente alguma resistência de início, mas perceber que é possível fazer a mesma coisa de jeitos diferentes é um passo muito importante para aumentar a flexibilidade cognitiva). 

Por fim, é uma boa ideia também criar seus próprios jogos imaginativos, como por exemplo pegar um objeto comum e ver quantas outras coisas a criança pode fingir que aquilo é: fingir que uma régua é uma espada ou uma pequena ponte, um rolo de cartolina é uma luneta, e por aí vai. 

Flexibilidade cognitiva

Falamos algumas vezes da flexibilidade cognitiva em oposição à rigidez cognitiva, mas pode ser importante deixar claro as características de uma mente realmente flexível, até para que pais e cuidadores tenham em vista qual o objetivo devem mirar quando trabalham a rigidez cognitiva no autismo

A flexibilidade cognitiva é basicamente a capacidade para adaptar os pensamentos às circunstâncias. Criar novas estratégias para resolver problemas de maneiras diferentes, saber como lidar com pessoas de acordo com o ambiente social e suas hierarquias e até mesmo reconhecer sarcasmo e ironia no que os outros dizem são algumas das capacidades de uma pessoa com flexibilidade cognitiva. 

São todos aspectos bem importantes e necessários para um bom convívio social e também para diminuir o estresse e ansiedade da pessoa que tem essa capacidade, já que a cognição rígida coloca o indivíduo em muitas circunstâncias em que ele não vai entender o que está acontecendo e vai se sentir muito inseguro e amedrontado quando perceber que as velhas regras nas quais confia não estão ajudando naquele momento. 

Por isso, a flexibilização cognitiva é o objetivo quando estamos lidando com a rigidez cognitiva no autismo. Aos poucos, com trabalho constante e perseverante, é possível “relaxar” os padrões de pensamento das pessoas no TEA, e isso vai ser de grande ajuda não só para os que convivem com ele, mas para o próprio indivíduo. 

Entenda mais sobre esse grandioso universo do TEA

Gostou desse conteúdo e quer saber mais sobre como funciona o mundo dos autistas? Confira os artigos no meu blog, tem muito conteúdo informativo e até lista de vídeos que ajudam a entender a complexidade do Espectro. Me acompanhe também pelo Instagram e meu canal no YouTube!

Compartilhe esse conteúdo
WhatsApp
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Conteúdos que você também pode gostar
Calandar (2)
17 de abril de 2024
Tornar-se um especialista em psicologia...
Calandar (2)
11 de abril de 2024
Abrir um consultório de psicologia...
Calandar (2)
7 de abril de 2024
Planejar uma consulta de psicologia...
Calandar (2)
3 de abril de 2024
A busca por especialização em...
Calandar (2)
28 de fevereiro de 2024
A intervenção de qualquer transtorno...
Calandar (2)
27 de janeiro de 2024
A prática da psicologia infantil...
Calandar (2)
25 de janeiro de 2024
A Psicologia Infantil desempenha um...
Calandar (2)
21 de janeiro de 2024
O desenvolvimento emocional e cognitivo...

Newsletter: Receba Notícias e Conteúdos

Receba as novidades do mundo da Terapia Infantil toda semana!

Jornada Terapeuta Infantil de Sucesso

Aprenda a se desenvolver mais como terapeuta infantil, como lotar sua agenda e fazer a gestão do seu consultório do zero.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Digite o que procura abaixo