Meu filho tem o tipo de autismo que ninguém fala sobre.

Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área. Quer conversar comigo? Só deixar um comentário no final do conteúdo.

Traduzido por Paula G. Kopruszinski, Psicóloga.

Fonte original

Meu filho tem o tipo de autismo ninguém fala sobre.

Como a maioria dos pais de crianças com autismo, eu tenho lido sobre a família na Califórnia, que está sendo processado por várias famílias em sua vizinhança. A ação alega que o seu filho é uma perturbação da ordem pública por causa de seus comportamentos que seus pais não conseguiram resolver.

Um dos queixosos neste caso afirmou: ‘Isto não é sobre o autismo. Isto é sobre segurança pública’.

Mas ele está errado. Isto é absolutamente sobre o autismo. Não é apenas sobre o autismo pessoas ouvem falar.

A mídia nos mostra as histórias de bem-estar, como a criança com autismo que chega a ser o gerente da equipe de basquete da escola, ou o menino com autismo que vai ao baile com a menina bonita, ou a menina com autismo mostra que é votada no baile de formatura, ou mesmo a história do menino autista que trabalha em um Starbucks, que foi na Ellen Degeneres. Nós nos vestimos de azul em Abril e nos damos tapinhas nas costas por estarmos realizando a conscientização do autismo.

Mas não não temos a conscientização.

Porque para cada menino com autismo que administra sua equipe de basquete da escola, existem 20 meninos com autismo que mancham suas cuecas de fezes. E para cada menina com autismo que chegam até o baile de formatura, existem 30 meninas com autismo que puxam seus os cabelos e mordem seus braços até sangrar. E para cada menino com autismo que conseguem ir ao baile, há 50 meninos com autismo que batem, chutam, mordem e machucam outras pessoas.

Este é o autismo, que ninguém fala. Este é o autismo que ninguém quer ver.

children-aggressive-1-150x150

Não temos a conscientização.

Um dos autores disse: “Nós não estamos incomodados porque ele é autista. Estamos preocupados e chateado com sua violência (em direção) a nossos filhos “.

Não há nenhuma maneira de estar incomodado pelo comportamentos desta criança e não estar incomodado pelo seu autismo.

Autismo e comportamentos andam lado-a-lado. Por quê? Os comportamentos são comunicação. Indivíduos com autismo muitas vezes não conseguem se comunicar de uma forma que as pessoas neurotípicas conseguem entender. Então, eles fazem coisas para terem suas necessidades atendidas. E muitas vezes as coisas que eles fazem são assustadoras e violentas

Não temos a conscientização

Meu filho, que tem a mesma idade que a criança nesta história, foi extremamente agressivo quando ele era mais jovem. Ele fez todas as coisas que a criança envolvida nesse processo fez. Meu filho correu atrás de outras crianças no playground apenas para empurrá-los. Ele bateu. Ele chutou. Ele mordeu. Ele puxou o cabelo. E eu nunca sabia o que estava por vir. Durante muito tempo, gostaria de recuar quando ele corria para mim … Eu não sabia se ele ia me abraçar ou me bater. você pode imaginar, como uma mãe, o que é isso? Ter medo e receio quando seu filho corre para você?

Não temos a conscientização.

Como eu não sabia o que meu filho ia fazer com outras crianças, nós paramos de ir à parques, paramos de ir para a classe “Mommy and Me” na biblioteca. Nós começamos a ir ao supermercado às 6 horas da manhã, quando a maioria das pessoas não estavam por perto. Ele não ia mais para a creche, mas tinha uma babá em casa para que ele não ficasse em um ambiente com outras crianças. Eu isolava ele, para garantir a segurança das outras pessoas. Você pode imaginar o que é ser mãe e não ser capaz de levar seu filho ao parque? Ou participar de festas de aniversário? Ou brincar com amigos?

vencendo-ansiedade2

Não temos a conscientização.

Por causa da minha necessidade de isolar o meu filho, eu também acabava me isolando. Eu vi da minha janela como outras mães do bairro sentavam em suas cadeiras de acampamento e conversavam enquanto seus filhos brincavam. Eu não poderia me juntar a eles porque o meu filho não poderia estar com as outras crianças. Uma vez uma mãe me perguntou se o meu filho poderia ir a sua casa e brincar com seu filho. Você pode imaginar como eu me sentia tão animada e, em seguida, me sentia tão envergonhada quando, depois de explicar os problemas do meu filho para ela, ela estaria consciente, que o convite foi cancelado?

Não temos a conscientização. De modo nenhum.

Mas podemos ter. Podemos abrir nossos olhos e entender que o autismo não é apenas sobre a criança de alto funcionamento que é “peculiar”, mas OK para estar perto dos outros. O autismo não é apenas sobre meninos de seis anos de idade, que podem jogar Piano Man melhor do que Billy Joel. Autismo pode ser difícil. Autismo pode ser triste. Autismo pode ser confuso. Autismo pode ser violento. Autismo pode ser isolamento.

aggressive-boy

Uma vez que se tornar realmente consciente, processos como este não vai acontecer. Por quê? Porque em vez de colocar luzes azuis nas nossas portas, monumentos, vamos sair com os nossos filhos e nós vamos ajudá-los a brincar juntos …  crianças neurotípicas e jovens com autismo juntos. Vamos conhecer os nossos vizinhos e nós vamos abraçar as crianças com comportamentos difíceis e abraçar seus pais junto com eles.

Vamos aprender que coisas podem acionar as crises no colega de classe do nosso filho que tem autismo, para que possamos ajudar as crianças a interagir com ele, evitando as coisas que podem causar agressão. Vamos ser uma verdadeira comunidade, incluindo aqueles que podem modelar comportamentos adequados e aqueles que estão se esforçando para aprender. Vamos trabalhar em ensinar nossos filhos para não bater e como evitar ser atingido.

66d2a43a13c5f7fda61c3912bf4b7b14

Os pais envolvidos neste processo, em ambos os lados, precisam fazer mais. Mais educação, mais compreensão, mais inclusão e mais envolvimento.

Agora me diga, é o autismo a real perturbação da ordem pública?

Nós podemos realizar a conscientização… se nós realmente quisermos.”

E o que você acha sobre isso? Deixa aí nos comentários a sua opinião!

Compartilhe esse conteúdo

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Gostou do conteúdo? Deixe um comentário

Conteúdos que você também pode gostar