Esquizofrenia e autismo, existe correlação? O que se deve avaliar! 

Esquizofrenia e autismo, existe correlação? O que se deve avaliar! 
Paulinha Psico Infantil

Paulinha Psico Infantil

Olá, sou a Paulinha, psicóloga infantil com foco em transtornos do neurodesenvolvimento. Crio conteúdos na internet desde 2015 e ajudo milhares de mães e outras profissionais da área todos os dias aqui e em minhas redes sociais.

A correlação entre esquizofrenia e autismo é uma área complexa e, até certo ponto, controversa na medicina. Ambos os transtornos têm origens multifatoriais, e pesquisas têm explorado possíveis conexões entre eles. 

É crucial observar que, embora alguns estudos sugiram certas sobreposições, cada condição é única em seus sintomas, características e impacto no funcionamento cognitivo e social. 

Vamos observar esta correlação um pouco mais de perto:

Origens genéticas e neurobiológicas:

Esquizofrenia e autismo são considerados transtornos neurobiológicos com uma forte base genética. Muitos estudos identificaram vários genes associados ao TEA, e acredita-se que fatores genéticos desempenham um papel significativo.

Da mesma forma que a esquizofrenia tem uma componente genética importante, com vários genes identificados como potencialmente contribuindo para o risco da condição. Algumas mudanças no desenvolvimento cerebral e desequilíbrios neuroquímicos também estão associados à esquizofrenia. 

Por exemplo: 

Mutações no gene SHANK3 estão associadas a casos de autismo. Esse gene desempenha um papel crucial na formação e função das sinapses, sendo vital para a comunicação entre os neurônios.

Algumas mutações genéticas que ocorrem espontaneamente têm sido observadas em casos de esquizofrenia e autismo. Elas podem afetar genes específicos e contribuir para a variabilidade genética “por trás do TEA”.

E a esquizofrenia é considerada poligênica, envolvendo a contribuição de vários genes. Genes relacionados à neurotransmissão, como DRD2 (dopamina) e GRIN2A (glutamato), estão implicados. Estudos de imagem cerebral mostram que tais alterações na estrutura e função cerebral em pessoas com esquizofrenia incluem anormalidades no córtex cerebral, hipocampo e tálamo.

Em ambos os casos, é essencial notar que a influência genética não é o único fator. Fatores ambientais, interações gene-ambiente e eventos durante o desenvolvimento também desempenham papéis críticos. A pesquisa continua a identificar novos genes e compreender como suas variações podem contribuir para a susceptibilidade genética à esquizofrenia e autismo.

Esquizofrenia e autismo, existe correlação? O que se deve avaliar! 

Desenvolvimento cognitivo e social:

Ambos esquizofrenia e autismo apresentam modificações nos padrões e meios pelos quais acontecem a interação social do indivíduo com os demais. 

O autismo é, de forma simplificada, caracterizado por dificuldades na comunicação social, interação social restrita e comportamentos repetitivos. E geralmente se manifesta na infância e está associado a diferenças no desenvolvimento cerebral.

A esquizofrenia, por outro lado, geralmente se manifesta mais tarde, na adolescência ou início da idade adulta. Envolve sintomas como delírios, alucinações, pensamento desorganizado e dificuldades na cognição.

Como os sintomas se sobrepõem? 

Embora esquizofrenia e autismo sejam transtornos distintos, há momentos em que eles podem apresentar sintomas sobrepostos, especialmente nas áreas de pensamento desorganizado e comportamento peculiar. Essa sobreposição destaca ainda mais a complexidade e a heterogeneidade dessas condições neuropsiquiátricas.

É característica da esquizofrenia, por exemplo, a presença de pensamento desorganizado, que pode se manifestar na fala e na escrita. Isso inclui discurso incoerente, dificuldade em manter uma linha de pensamento lógica e associações de ideias que podem parecer desconexas para os outros.

Em alguns casos, indivíduos no espectro autista também podem exibir formas de pensamento desorganizado, especialmente na comunicação social. Dificuldades na organização e expressão de pensamentos podem contribuir para a impressão de desorganização cognitiva.

Comportamentos incomuns podem ser observados na esquizofrenia, incluindo maneirismos, agitação motora e respostas emocionais inapropriadas. Um comportamento peculiar que também é uma característica do autismo, muitas vezes manifestada por padrões repetitivos de interesse, movimentos motores estereotipados e aderência rígida a rotinas.

Pode ocorrer, ainda, foco intenso e unilateral em temas específicos para a pessoa diagnosticada com esquizofrenia, embora isso possa ser mais associado a delírios ou ideias fixas. Assim como o interesse obsessivo em tópicos específicos é comum no autismo, muitas vezes referido como “hiperfoco”. Esses interesses podem ser muito estreitos e absorventes.

A comunicação também está inclusa! 

Problemas na comunicação são uma faceta da esquizofrenia, envolvendo dificuldades em expressar pensamentos ou compreender a comunicação dos outros. Da mesma forma que dificuldades na comunicação social são um dos pilares do autismo, manifestando-se em desafios na reciprocidade social, na linguagem não verbal e na compreensão das sutilezas sociais.

Embora essas sobreposições existam entre esquizofrenia e autismo, é crucial reconhecer que as duas condições têm bases neurobiológicas distintas e são diagnosticadas com base em critérios específicos. O diagnóstico diferencial, realizado por profissionais de saúde mental altamente qualificados, leva em consideração a complexidade desses transtornos e considera uma variedade de sintomas para determinar a condição predominante.

Fatores externos: 

Além dos fatores genéticos, o autismo também pode ser influenciado por fatores ambientais, embora esses ainda não sejam completamente compreendidos. Exposição a certas substâncias durante a gravidez e complicações no parto são consideradas possíveis contribuintes. 

Assim como fatores ambientais, como eventos estressantes na vida e uso de substâncias psicoativas, podem aumentar o risco de desenvolver esquizofrenia.

Esquizofrenia e autismo, existe correlação? O que se deve avaliar! 

Coexistência de diagnósticos:

Em alguns casos (raros), uma pessoa pode receber diagnósticos tanto de autismo quanto de esquizofrenia. Essa coexistência de diagnósticos pode tornar o quadro clínico mais complexo e desafiador de manejar. Vamos deixar esta conversa para quando houver necessidade! A possibilidade, porém, existe.  

Intervenção psicológica para ambos?

As abordagens de intervenção para esquizofrenia e autismo diferem significativamente entre si. O tratamento para esquizofrenia frequentemente envolve medicamentos antipsicóticos, enquanto o autismo é abordado com terapias comportamentais e educacionais.

Além das distinções nos sintomas e características, as abordagens de intervenção para esquizofrenia e autismo também diferem consideravelmente. No tratamento oferecido pela medicina para esquizofrenia, os medicamentos antipsicóticos são frequentemente prescritos para ajudar a gerenciar os sintomas psicóticos, como alucinações, delírios e pensamento desorganizado. Estes medicamentos visam estabilizar os desequilíbrios neuroquímicos associados à condição.

Por outro lado, o tratamento do autismo é multifacetado e frequentemente se concentra em intervenções comportamentais e educacionais. Terapias comportamentais, como Análise do Comportamento Aplicada (ABA), Terapia Comportamental Cognitiva (TCC) e Intervenção Precoce Intensiva (IPI), são frequentemente utilizadas para melhorar habilidades sociais, linguagem, comunicação e reduzir comportamentos desafiadores.

Essas abordagens refletem a compreensão de que o autismo é, fundamentalmente, uma condição neurobiológica com origens genéticas, e a intervenção visa otimizar o desenvolvimento e a qualidade de vida da pessoa. Em contraste, a esquizofrenia, embora tenha componentes genéticos, é mais centrada no tratamento farmacológico para lidar com sintomas específicos da psicose.

É importante ressaltar que, em ambos os casos, a abordagem de tratamento deve ser personalizada para atender às necessidades específicas de cada indivíduo. O trabalho colaborativo entre profissionais de saúde mental, educadores e familiares é fundamental para criar um plano abrangente que aborda os desafios exclusivos associados a cada condição.

Embora haja alguma sobreposição em termos de fatores genéticos e alguns sintomas, é crucial reconhecer a singularidade de cada transtorno. A compreensão dessas condições é vital para orientar intervenções eficazes e fornecer suporte apropriado a indivíduos afetados. O campo da pesquisa continua a explorar essas complexas relações para aprimorar nossa compreensão e abordagem clínica.

Nas minhas redes sociais (Instagram, Facebook, TikTok e YouTube) eu compartilho diariamente dicas, informações e descobertas sobre a psicologia infantil! Já no meu blog, eu busco aprofundar um pouquinho mais os tópicos para que nós possamos conhecer novas perspectivas, confira também as postagens! 

Compartilhe esse conteúdo
WhatsApp
Facebook

Tópicos do Conteúdo

Conteúdos que você também pode gostar
Calandar (2)
28 de fevereiro de 2024
A intervenção de qualquer transtorno...
Calandar (2)
27 de janeiro de 2024
A prática da psicologia infantil...
Calandar (2)
25 de janeiro de 2024
A Psicologia Infantil desempenha um...
Calandar (2)
21 de janeiro de 2024
O desenvolvimento emocional e cognitivo...
Calandar (2)
15 de janeiro de 2024
Como sabemos, a  Psicologia Infantil...
Calandar (2)
1 de janeiro de 2024
Introdução: A Psicologia Infantil desempenha...
Calandar (2)
25 de dezembro de 2023
A avaliação de uma criança...
Calandar (2)
5 de dezembro de 2023
O Transtorno do Déficit de...

Newsletter: Receba Notícias e Conteúdos

Receba as novidades do mundo da Terapia Infantil toda semana!

Jornada Terapeuta Infantil de Sucesso

Aprenda a se desenvolver mais como terapeuta infantil, como lotar sua agenda e fazer a gestão do seu consultório do zero.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Descubra como trabalhar todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil.

TERAPEUTA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Aprenda como atuar em todas as demandas clínicas eliminando qualquer insegurança no atendimento infantil, através da metodologia IAMF.

PSICÓLOGA INFANTIL NÃO PERCA!!!

Digite o que procura abaixo